18.7 C
São Paulo
quarta-feira, novembro 13, 2019

PRESTAR CONTINÊNCIAS CONDUTA/POSTURA E ATITUDES

Como surgiu a continência dos militares?

A continência militar é um gesto bastante conhecido pela população e tem, até mesmo, um forte significado na história da humanidade. A origem dessa saudação militar nos leva de volta à Idade Média, quando a continência era usada como um símbolo de respeito para com os reis.

O objetivo da continência era saudar o soberano da nação, e isso acontecia sempre antes de grandes batalhas de cavaleiros. Nessa saudação, os guerreiros faziam uma reverência ao rei, erguendo com a ponta dos dedos da mão direita a viseira do elmo que fazia parte da armadura medieval. Este sinal também era uma forma de demonstrar paz, pois reforçava o fato de que a mão que segurava a espada estava vazia. Depois de um tempo, a continência tornou-se um hábito entre os exércitos.

O ato de levar a mão à testa passou a representar um cumprimento respeitoso e amigável, além de ser visto como um tipo de senha entre os soldados. Até os dias de hoje, os militares fazem a saudação da continência de maneiras diferenciadas em vários países. Na França, por exemplo, os militares fazem a continência com a palma da mão voltada para a frente. Já no Brasil, o cumprimento é feito à moda prussiana, com a palma da mão voltada para baixo.

A história da continência militar

A continência surgiu ainda no mundo feudal, e percorreu um longo caminho até chegar aos ditadores e exércitos violentos pelo mundo. Para muitos soldados, esse símbolo demonstrava sua honra em ocupar uma posição militar. Um marco triste da história da humanidade é representado pela saudação utilizada por Adolf Hitler, na Alemanha. O ditador tinha verdadeira obsessão pelo poder militar do antigo Império Romano e, por isso, criou sua própria continência, na qual as pessoas tinham que erguer o braço direito com uma inclinação de 45 graus e dizer: “Heil, Hitler”. Atualmente, a continência militar é um gesto importante e de grande valor nos exércitos e forças militares.

Continência

Continência é a saudação militar e uma das maneiras de manifestar respeito e apreço aos seus superiores, pares, subordinados e símbolos, como a bandeira nacional, por exemplo. Ela deve ser feita em pé, com a movimentação da mão direita até a cabeça, com a palma da mão para baixo, e pode ser individual ou da tropa. Apenas em raríssimas situação permite-se fazer o sinal de continência com a mão esquerda: quando a mão direita está sobrecarregada de alguma forma (embora seja rara), por exemplo, um soldado segurando um rifle na mão direita e o apoiando sobre o ombro; se o desempenho do dever exigir a mão direita para uso ou operação de equipamentos, como andar de moto; se não for possível usar a mão devido a lesão ou amputação; quando escoltando uma mulher e não é possível andar em seu lado direito. Como o presidente da República é o chefe das Forças Armadas, em alguns países, ele também costuma prestar continência a militares.

Fernando Montenegro, coronel da reserva do Exército Brasileiro e consultor em assuntos de segurança e militar, explica o que é a continência:

A continência, para o militar, está muito longe de ser um sinal de subserviência. Ela é um sinal de respeito tipicamente militar, um cumprimento. O cumprimento de aperto de mão começou para mostrar a mão desarmada; a continência é um ponto diferente, mostra respeito a quem admiramos, respeitamos. É um respeito que temos entre nós, além de realizarmos às vezes em relação a pessoa que a gente tem uma certa admiração e respeito pelo tipo de atividade que desenvolve. Assim, cumprimentar um civil também é perfeitamente cabível.” (Fernando Montenegro, coronel da reserva do Exército Brasileiro e consultor em assuntos de segurança e militar)

Origem

Algumas pesquisas indicam que a continência foi criada na época medieval, onde os cavaleiros, para identificarem-se aos seus superiores abriam a parte frontal de seu elmo, com um movimento similar ao de prestar continência. O filme The Last Castle (2001) (com Robert Redford como protagonista geral) utiliza-se dessa explicação para apresentá-la durante o filme.

O gesto também indicava paz nestes tempos mais antigos, pois a mão no elmo sinalizava que o cavaleiro não possuía a intenção de sacar sua arma.

Prática no Brasil

Segundo o Regulamento de Continências, Honras, Sinais de Respeito e Cerimonial Militar das Forças Armadas Brasileiras, decreto No 2.243, de 3 de junho de 1997, em seu artigo 15º normatiza quem tem direito à continência, conforme a seguir:

I – a Bandeira Nacional;

II – o Hino Nacional, quando executado em solenidade militar ou cívica;

III – o Presidente da República;

IV – o Vice-Presidente da República;

V – o Presidente do Senado Federal, da Câmara dos Deputados e do Supremo Tribunal Federal;

VI – os Ministros de Estado;

VII – os Governadores de Estado, de Territórios Federais, e do Distrito Federal, nos respectivos territórios, ou em qualquer parte do País em visita de caráter oficial;

VIII – os Ministros do Superior Tribunal Militar;

IX – os militares da ativa das Forças Armadas;

X – os militares da reserva ou reformados;

XI – a tropa quando formada;

XII – as Bandeiras e os Hinos das Nações Estrangeiras;

XIII – as autoridades civis estrangeiras;

XIV – os militares das Forças Armadas estrangeiras;

XV – os integrantes das Polícias Militares e dos Corpos de Bombeiros Militares;

O decreto regulamenta ainda que “a continência parte sempre do militar de menor precedência hierárquica” e, quando “ocorrer dúvida sobre qual seja o de menor precedência, deve ser executada simultaneamente”. “Todo militar deve, obrigatoriamente, retribuir a continência que lhe é prestada”.

Na Cultura Popular

Muitos artefatos da cultura popular criaram saudações militares para fins ficcionais, na maioria das vezes com um propósito cínico ou sarcástico.

  • Em seu comic book Le Dictateur et le Champignon, de 1953, o artista belga André Franquincriou uma saudação boba, usada em um país fictício da América Latina chamado Palombia. Ao saudar, os subordinados do general Zantas devem levantar as mãos sobre a cabeça, com a palma virada para a frente e, em seguida, apontar para o alto da cabeça com os polegares. Franquin repete essa ideia em seu álbum de 1957 em quadrinhos Z comme Zorglub. Aqui, os soldados conspirados do bruxo todo-poderoso da ciência Zorglub saúdam seu líder apontando suas cabeças com os dedos indicadores para cinicamente sublinhar quanto de gênio eles consideram ser.
  • No universo da Marvel Comics, os membros da organização Hydrasaúdam de maneira semelhante a uma saudação fascista, mas levantam as duas mãos com os punhos cerrados. Isto também é acompanhado pelo canto “Hail Hydra”.
  • No filme de ficção científica paródica de 1987, O.S. – Tem um Louco Solto no Espaço, dirigido por Mel Brooks, todos os subordinados do presidente Supremo, Skroob, saúdam-no dobrando os antebraços sobre as mãos opostas, como se estivessem prestes a lhe dar a saudação de honra, mas no último momento, eles usam as mãos levantadas para acenar-lhe adeus, em vez de mostrar-lhe o dedo do meio.
  • No mangá Shingeki no Kyojin, os membros das forças armadas (e às vezes os civis em uma demonstração de respeito para com as forças armadas) saúdam dobrando os braços e colocando o punho cerrado sobre seus corações. O gesto, conhecido como “oferecer corações”, pretende demonstrar que os soldados estão dispostos a dar seus corpos e vidas para proteger a humanidade e garantir sua sobrevivência.
  • Na comédia de ficção científica da BBC TV Red Dwarf, Arnold J. Rimmer realiza continuamente uma elaborada saudação especial que ele inventou para o Space Corps, apesar de não ser membro do Corpo. Consiste em estender a mão para fora na frente do corpo, com a palma para baixo e girá-lo cinco vezes sobre o punho (para representar os cinco anéis do Space Corps), levando a mão para perto da cabeça com a palma voltada para fora.

COMO PRESTAR CONTINÊNCIA

A continência é uma das formas mais antigas e elevadas de respeito no exército. Quer você seja apenas um soldado ou apenas queira aprender a prestar continência como as pessoas nas Forças Armadas, este artigo o ajudará a passar pelos passo básicos.

  1. Mantenha a coluna ereta.Adote a melhor postura possível durante a continência. Não se acorcunde ou deixe os ombros caírem. Fique em pé com os braços esticados e retos ao lado do corpo e os dedos apontados para o chão.

  1. Olhe em direção à bandeira ou à pessoa para onde a continência está direcionada.Caso você esteja cumprimentando uma pessoa, é considerado um sinal de respeito manter contato visual. A pessoa com menor patente deve iniciar a continência. Dessa forma, o oficial não está insinuando ser, em qualquer ponto, inferior ao oficial superior. Trata-se apenas de uma demonstração de respeito e camaradagem.

 

  1. Eleve o braço direito para a posição correta.Traga-o para cima, de modo que o bíceps esteja paralelo ao chão. O braço deve permanecer reto, com o cotovelo em linha reta com os ombros.
  • Uma continência bem-executada representa um movimento bem definido e característico. Depois de usá-la diariamente, ela ficará automática

  1. Eleve a mão rumo à sobrancelha. Mantenha a boda externa da mão ligeiramente inclinada para baixo, de modo que nem o dorso e nem a palma estejam visíveis por quem está à frente. A mão e o pulso estarão retos, o cotovelo ligeiramente inclinado para frente e o antebraço, em um ângulo de 45 graus com relação ao solo. Mantenha os dedos e o polegar retos e alinhados entre si.

  1. Desça a mão. Traga-a diretamente para baixo, colocando-a em sua posição natural ao lado do corpo, ao finalizar a continência.
  • Não bata na perna ou mova a mão para o outro lado.
  • Qualquer floreio na continência é inadequado. Se você a fizer de forma exagerada ou preguiçosa, ela pode ser percebida como um insulto ainda maior do que nem mesmo realizá-la.

OBSERVAÇÕES:

  • Reconheça autoridades com uma continência.É importante saber a quem as continências devem ser direcionadas.

– Preste sempre continência para o presidente do Brasil.

– Faça-o para quaisquer soldados alistados ou comissionados.

– Preste continência para qualquer recipiente de medalhas de honra, independente da patente.

– Preste continência para oficiais de nações estrangeiras aliadas.

 

  • Preste continência durante os eventos apropriados.

–  Faça-o durante a execução do Hino Nacional. Você deve também prestar continência na execução de hinos nacionais estrangeiros.

–  À bandeira nacional, quando estiver aberta em público. Preste continência assim que ela estiver a aproximadamente dois metros de distância e mantenha-a pela mesma distância depois de passar por ela.

– Preste continência durante as cerimônias apropriadas. Dentre elas, incluem-se funerais militares, trocas de comando e quando a bandeira for hasteada e arriada.

– Faça-o durante uma prestação de honra.

– Preste continência no juramento à bandeira.

– Preste continência ao se apresentar.

– Sempre ao vir soldados em veículos oficiais

 

  • Não preste continência quando não for algo prático ou, ainda, quando for contra as regras.

– Não preste continência em um ambiente não público a menos que esteja se apresentando para um oficial de patente superior.

– A continência está dispensada quando as mãos estiverem ocupadas ou não for possível fazê-la, como no serviço de limpeza. Nesses casos, um cumprimento pode ser usado no lugar da continência.

– Não preste continência enquanto estiver operando um veículo em movimento.

– Use o bom senso em áreas públicas. Continências são desnecessárias se você encontrar um oficial superior em um avião ou no terminal de ônibus.

– Soldados trabalhando em um ponto comercial ou praticando um esporte não precisam parar sua atividade para prestar continência.

– Não preste continência para um oficial não comissionado.

Significado de Conduta

Conduta é uma manifestação do modo como um indivíduo ou grupo se comporta perante a sociedade, tendo como base as crenças, culturas, valores morais e éticos que seguem.

Significado de Disciplina

Disciplina é a obediência ao conjunto de regras e normas que são estabelecidos por determinado grupo. Também pode se referir ao cumprimento de responsabilidades específicas de cada pessoa. Do ponto de vista social, a disciplina ainda representa a boa conduta do indivíduo, ou seja, a característica da pessoa que cumpre as ordens existentes na sociedade.Neste aspecto, o oposto de disciplina é a indisciplina, quando há a falta de ordem, regra, comportamento ou de respeito pelos regulamentos

Conceito de postura

Do latim positūra, a postura é a posição ou atitude que alguém adopta em determinado momento ou em relação a algum assunto. No sentido físico, a postura diz respeito às posições das articulações e à correlação entre as extremidades (os membros) e o tronco.

A postura do corpo tende a estar relacionada com o espaço envolvente, tanto físico como social. Por exemplo: se um homem muito alto entrar num quarto cujo tecto seja baixo, terá de adotar uma determinada postura para evitar bater com a cabeça. Esta postura, por conseguinte, estará determinada pelo espaço físico.

Se, no entanto, uma pessoa se encontrar em frente ao jazigo de um ente querido e agachar a cabeça, a postura obedece a um ritual cultural ou simbólico. Nada físico o obriga a adotar tal postura. Trata-se, sim, de uma atitude de recolhimento perante uma perda afetiva.

As normas de comportamento e as regras sociais têm uma grande incidência nas posturas que se adotam em público. Um adulto não se deve sentar e apoiar os seus pés noutra cadeira, já que essa postura seria associada à má educação ou à falta de respeito. Um militar também não pode adotar qualquer postura frente a um superior: deve estar firme e com a cabeça erguida, pois estaria a demonstrar que não respeita a autoridade e a escala hierárquica.

A postura, enquanto atitude, refere-se ao pensamento de uma pessoa: “Na minha postura, acho que não devemos ir a uma festa à qual só nos convidaram por obrigação”, “Segundo a tua postura, eu deveria bater no meu chefe cada vez que ele ralha comigo”. Diz-de que uma pessoa saber manter a postura quando se sabe comportar e tem atitudes dignas e educadas.

Significado de Atitude

Atitude é uma norma de procedimento que leva a um determinado comportamento. É a concretização de uma intenção ou propósito.

De acordo com a psicologia, a atitude é comportamento habitual que se verifica em circunstâncias diferentes. As atitudes determinam a vida anímica de cada indivíduo. As atitudes são patenteadas através das reações repetidas de uma pessoa. Este termo tem particular aplicação no estudo do caráter, como indicação inata ou adquirida, relativamente estável, para sentir e atuar de uma forma determinada.

Dica leitura

Fontes: