FUNARTE – RESPOSTA DA ENTIDADE SOBRE EDITAL

0
400

O PlanetaBandas teve acesso a um e-mail, enviado primeiramente ao Claudio “Pantera”, da cidade de Itanhaém- SP, músico por muitos anos da Banda Marcial do Colégio Bilac, de São Paulo, onde a Funarte responde, sobre o veto à bandas marciais e fanfarras, que o edital criado também visa outros grupos musicais.

O questionamento do Claudio foi o seguinte: (abaixo)

Meu nome é Claudio de Oliveira Camargo, desde adolescente participei de bandas e fanfarras aqui no Estado de São Paulo, sendo que a maior parte da minha vida musical foi em banda marcial ( Banda de musica composta por instrumentos de metais como Trompetes, Flugelhorns, Trombones, Bombardinos, Melofones, Tubas, Sousafones, caixas, bombo, prato).
E me espanta que no premio Funarte de Apoio a bandas de Musica exatamente estejam excluídas as bandas marciais, sempre nos apresentamos em desfiles cívicos, inaugurações publicas, festivais de bandas e fanfarras, campeonatos, concertos populares em praça aberta, concertos eruditos em teatros, etc.
Não sei qual a definição de “banda Marcial” que foi passado para vocês, mas com certeza foi passado uma imagem errada. A unica diferença entre uma “banda musical” e uma “banda marcial” é que a banda musical tem flautas, clarinetes e saxofones. Como grupo musical as duas executam o mesmo repertorio, são idênticas na questão didática musical, sendo apenas uma opção mais barata para quem quer começar uma banda com a aquisição de instrumentos de metais.
Muitas prefeituras possuem banda marcial, sendo as vezes mais comum ter banda marcial em escolas publicas e prefeituras do que bandas musicais
O Maestro Dante sabe que acusticamente os instrumentos de metais soam mais alto que instrumentos de palheta em locais abertos, sendo que para cada trompete precisaria de 3 clarinetes ou 5 flautas para ter o mesmo volume de som. Daí a preferencia por Banda de metais em equipamentos públicos.
Gostaria muito que se fosse revisto a portaria de 2013 onde as bandas de metais ou bandas marciais fossem inclusas nessa premiação.

A CNBF (Confederação Nacional de Bandas e Fanfarras), pelo seu presidente Armando Nobre, entrou em contato com Rosana Lemos (Coordenadora de Bandas de Música – Centro da Música/FUNARTE), agendando reunião para tratar deste assunto, logo após o Carnaval.

Acreditamos que esse e-mail venha a esclarecer alguns pontos importantes levantados nas redes sociais e em conversas nos grupos de whatsapp do PlanetaBandas.

Caso você deseje participar de um grupo voltado a discussões e idéias sobre o movimento de bandas e fanfarras no Brasil e questões relevantes como essa, clique no link abaixo e participe. A entrada é livre para todos, sem qualquer tipo de solicitação, apenas seguindo as regras do grupo.

LINK DO GRUPO -> https://chat.whatsapp.com/J8chng3xeofEahBnAhUGeY

Leiam a íntegra do e-mail abaixo:

Prezado Senhor Cláudio,
Bom dia!
Reconhecemos o trabalho de formação que as bandas marciais vêm realizando ao longo dos anos!
Os recursos para que possamos estender o apoio aos demais conjuntos musicais, ainda é extremamente ínfimos!  E por isso, os critérios estabelecidos no Edital. 
Porém, atual Direção da Funarte, consciente da necessidade de estendermos o benefício aos demais conjuntos musicais que realizam a formação de músicos, trabalhará para que possamos sanar essa lacuna.
Ressaltamos que os Órgãos Estaduais e Municipais da Cultura e da Educação, também precisam ter um olhar especial para o trabalho que as bandas marciais e fanfarras realizam!
O mais importante é que precisamos nos manter unidos, para que juntos possamos nos ajudar e encontrar caminhos diante das dificuldades e mantermos o diálogo!
Atenciosamente,
Rosana G. Lemos
Coordenadora de Bandas de Música
Centro da Música/FUNARTE
Av. Presidente Vargas, 3.131 Sala 1804 – Cidade Nova
Centro Empresarial Cidade Nova – Edifício TelePorto
20.210-911 – Rio de Janeiro – RJ
Tel.: (21) 2279-8106

A reportagem contou com o aceite do Claudio e também da sra. Rosana Lemos para a publicação.