O PlanetaBandas está muito feliz em ter acompanhado o desfile da escola de Samba Acadêmicos do Tatuapé, que entre outras coisas falou da FAMA – Fanfarra Municipal de Atibaia em seu desfile.
 
A escola mostrou um pouco do movimento de bandas e fanfarras para o grande público.
 
Fizemos uma leitura sobre diversos sites de notícias e colocamos aqui para a leitura e discussão dos apaixonados pelo movimento marcial. Você concorda? Discorda? Deixe sua opinião em nossos comentários.
 
Parabéns a FAMA e todos os que participaram do desfile.

G1 – Globo

Acadêmicos do Tatuapé faz desfile honesto, mas não empolga com tema Atibaia

A Acadêmicos do Tatuapé, quinta escola a desfilar no Grupo Especial do Carnaval de São Paulo, fez um desfile correto, com um samba-enredo afiado, carros bonitos e fantasias caprichadas. Ainda assim, com o tema dedicado à cidade de Atibaia, foi difícil empolgar o público na arquibancada do Anhembi. Pesou também o atraso causado pelas escolas anteriores, que fez com que a Tatuapé entrasse cerca de uma hora e meia depois do horário previsto. O sambódromo sofreu com um congestionamento de carros alegóricos depois que alguns carros da Dragões da Real enroscaram na fiação elétrica na dispersão. Quando a agremiação enfim conseguiu entrar na avenida, as arquibancadas já estavam bastante esvaziadas.

Um fanfarra local também participou do desfile, introduzindo a bateria. A FAMA (Fanfarra Municipal de Atibaia) coloriu a avenida com bandeiras e fantasias mais sequinhas. Com 240 ritmistas, a bateria de Mestre Higor destacou-se com a ala de cuíca 100% feminina.


Estadão – Jornal O Estado de SP

Primeiro dia de desfiles tem enredos politizados, muito brilho e problemas técnicos

Mais elaborada do que em edições anteriores, a festa teve como ponto baixo um intervalo forçado de cerca de 1h20, após um carro alegórico enroscar na rede elétrica durante a dispersão, deixar parte da arena sem luz e atrasar as apresentações seguintes.

O incidente aconteceu por volta das 2 horas, no fim do desfile da atual vice-campeã, a Dragões da Real – a terceira escola da noite. O abre-alas, que havia passado normalmente sob o pórtico que mede o limite de altura na avenida, bateu em um fio na saída do Anhembi e derrubou a luz de áreas externas do Sambódromo, como nos banheiros e tendas de alimentação. O cronômetro oficial também parou de funcionar. A companhia de luz Enel teve de ser acionada e a Avenida Olavo Fontoura ficou travada. A escola, no entanto, não deve perder ponto, já que o problema ocorreu após o fim do desfile.

Embora as apresentações tenham continuado depois de o problema ser resolvido, houve quem se sentiu prejudicado. “A gente não preparou o desfile para acontecer à luz do dia, então infelizmente acaba atrapalhando”, disse Eduardo dos Santos, presidente da Acadêmicos do Tatuapé. Prevista para se apresentar ainda de madrugada, a agremiação cruzou a linha de chegada já de manhã.

Acadêmicos do Tatuapé

A escola levou precisos 2.761 componentes para homenagear a cidade de Atibaia, no interior de São Paulo. Em clima de roça, apresentou no Sambódromo referências da culinária ao turismo da cidade. Em uma das alas, exibiu 60 bonecos de personagens como Cebolinha e Pato Donald, típicos do carnaval local.

Outro carro lembrou a tradição na produção de flores. Atibaia representa cerca de 25% das flores produzidas no País e teve um carro alegórico dedicado ao tema. Durante o desfile, integrantes do setor de Harmonia borrifavam perfume para cima.

Sem entrar em polêmicas, a apresentação transcorreu com calma e a escola cruzou a linha de chegada aos 61 minutos. Ainda assim, integrantes reclamaram de ter entrado na pista atrasado, uma vez que a Tatuapé estava programada para se apresentar ainda à noite, mas amanheceu no meio do desfile.


FOLHA DE SÃO PAULO

Tatuapé mostra religiosidade, folclore e vida rural da cidade

A Acadêmicos dos Tatuapé pisou na avenida pouco depois das 5h de sábado (22), neste primeiro dia de desfiles das escolas de samba do Grupo Especial do Carnaval de São Paulo.

A agremiação levou para o Sambódromo uma homenagem a Atibaia, cidade do interior de São Paulo. O samba empolgante da escola, em alguns momentos, apresentou uma melodia que lembra a música raiz sertaneja. A letra focou na característica rural da cidade paulista.

Para falar sobre a religiosidade do município, a escola da zona leste apresentou a ala das baianas com fantasias de Nossa Senhora do Rosário. Outra ala com a temática foi a chamada Águas de Oxalá.

A cultura popular também esteve presente no desfile com alas sobre congada e festa junina. As flores e os morangos, símbolos de Atibaia, também estiverem presentes.

Além disso, na apresentação, o Tatuapé falou sobre a moda de viola, os trens Maria Fumaça e a vida das pessoas do campo. A escola homenageou ainda o cantor Silvio Caldas, que morou por muito tempo em Atibaia.