A Orquestra Sinfônica da USP (Osusp) realiza neste sábado, dia 7, uma apresentação na Sala São Paulo, às 21 horas. O evento é parte da Série Sala São Paulo, sequência de oito concertos com repertório que inclui obras de compositores como Claude Debussy, Franz Schubert, Heitor Villa-Lobos, Igor Stravinsky, Joseph Haydn, Ludwig Van Beethoven, Maurice Ravel, Robert Schumann e Wolfgang Amadeus Mozart.

Eles serão interpretados por regentes e instrumentistas como Cláudia Nascimento, Cláudio Micheletti, Fábio Cury, Luís Gustavo Petri, Luís Otávio Santos, Roberto Tibiriçá e Stefan Geiger. Regentes estrangeiros também vão se apresentar, como o alemão Benedict Kloeckner, o russo Sasha Boldachev e o uruguaio Nicolás Pasquet.

.Repertório

No espetáculo deste sábado, o maestro Luís Otávio dos Santos, especialista em interpretação historicamente orientada, e Cláudio Micheletti, spalla (primeiro-violino) da Osusp, apresentam ao público o classicismo vienense de Haydn (Abertura L’Isola Disabitata), Mozart (Sinfonia nº 40 em Sol Menor K. 550) e Beethoven (Concerto para Violino em Ré Maior Opus 61).

Visto sob a ótica da interpretação historicamente orientada, o repertório a ser apresentado, segundo o maestro Luís Otávio dos Santos, “pode estimular os músicos da orquestra a buscarem outras respostas para a performance de obras que aparentemente têm uma maneira padrão de interpretação”.

Para o maestro, o concerto deste sábado “mostra, de maneira muito clara, a transformação da linguagem orquestral ao longo do século 18”. Com Haydn, segundo ele, “temos um tipo de orquestração e atitude muito próximo ainda do Barroco, num estilo intermediário Pré-Clássico chamado depois de Sturm und Drang (Tempestade e Urgência, em alemão)”.

Com Mozart e sua Sinfonia nº 40, “temos o ápice do modelo orquestral e linguagem do Classicismo, em que a simetria entre os naipes da orquestra reflete a perfeita coerência, bom gosto e lógica musical do grande gênio”.

E, com Beethoven, “temos a porta de entrada do Romantismo, em que o compositor utiliza uma nova paleta de cores, através de uma orquestração mais livre e experimental. Isso sem falar na apoteose do solo de violino, um tipo de virtuosismo simplesmente inédito da história do instrumento, até o aparecimento dessa obra, que serviu de paradigma para todos os concertos de violino após ele”, afirma.

Mais informações sobre a Orquestra Sinfônica da USP podem ser obtidas neste link. A programação completa da temporada de concertos de 2018 pode ser acessada aqui.

A Sala São Paulo está localizada na Praça Júlio Prestes, 16, Campos Elíseos, em São Paulo. Mais informações podem ser obtidas no site da Sala São Paulo.

O Centro de Difusão Internacional (CDI) da USP fica na Avenida Professor Lúcio Martins Rodrigues, 310, na Cidade Universitária, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here